A crise do jornalismo em Portugal

O jornalismo é uma actividade historicamente fracturada, indecidida, com origens e práticas diversas, enraizadas na história e na cultura. A crise que atravessa tem aspectos estruturais (modelos de negócio frágeis, promiscuidade com o poder político e económico), alguns dos quais decorrentes de uma história recente (perda de receitas publicitárias e de públicos; disrupção tecnológica e identitária).
A versão portuguesa da crise, analisada neste livro, intensifica factores como a desregulação das relações laborais, uma afasia crítica e reflexiva que se traduz na ausência de modelos alternativos de existência; desequilíbrio e distorção na representação de grupos e problemáticas sociais; perda de autonomia dos jornalistas; fortalecimento dos discursos hegemónicos em detrimento do pluralismo e da independência. É um quadro pouco esperançoso.
O conjunto de artigos aqui reunidos, da autoria de jornalistas, académicos e investigadores na área dos media, pretende contribuir para a inversão deste cenário. Porque a esperança se alimenta de um debate aberto e informado.

Organizadores: José Nuno Matos, Carla Baptista e Filipa Subtil

Autores: Carla Baptista, Carla Martins, Carlos Camponez, Filipa Subtil, Frederico Pinheiro, Jacinto Godinho, João Ramos de Almeida, Joaquim Fidalgo, José Castro Caldas, José Goulão, José Luís Garcia, José Nuno Matos, José Rebelo, Liliana Pacheco, Maria João Silveirinha, Pedro Cerejo, Sandra Monteiro, Sara Meireles Graça e Vasco Ribeiro.

Edição: Deriva  e Outro Modo, Le Monde diplomatique – edição portuguesa

2017 | Preço: 9,5€ (10% de desconto para assinantes)

Recensão: Análise Social, 226, liii (1.º), 2018 por João Pissarra Esteves

Anúncios